You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.

No Imaginário de Adi Goodrich

Revista Arte + Cultura | 14 Nov 2016

Desenho, pintura, arquitetura, gravura, história da arte e animação. Estas foram as áreas pelas quais Adi Goodrich viajou na sua formação, mas há um mundo inteiro, para além das áreas criativas, que a cenógrafa, diretora de arte e fotógrafa norte-americana tem povoado de forma grandiosa e que já lhe valeu a colaboração com marcas como Wieden+Kennedy, Target, Apple, Adult Swim, Pizza Hut ou Toyota. Assim é o universo de Adi Goodrich, colorido, apaixonado e entusiasmante.

Como teve início o S/ interesse em design e qual a formação que teve na área?

O meu interesse em design espacial veio do meu pai, que era carpinteiro, mecânico e um homem de diversos ofícios. Foi ele que me incutiu o interesse em arquitetura desde que eu era criança. Enquanto crescia, ele dedicava-se à compra de casas baratas, que desfazia e refazia de uma forma muito bonita. Ele era um autodidata nas áreas da reabilitação arquitetónica e da construção. Assistíamos religiosamente aos programas do Bob Vila. Raramente vivemos em casas bonitas porque no momento em que estavam reabilitadas eram vendidas e depois mudávamos para uma casa verdadeiramente horrível. Mas aprendi a encontrar beleza nestes edifícios decrépitos e aprendi como torná-los de novo habitáveis. Tornei-me muito adaptável aos espaços e aceitava o feio e as fases intermédias da construção.

Quais são as S/s influências na área criativa?

Todas as pessoas cool já mortas. Ray e Charles Eames, Walter Gropius, Paul Klee, Picasso, Matisse, Ettore Sottsass, Frank Lloyd Wright.

Porque escolheu a cenografia? 

Tropecei nela porque queria tornar-me amiga de algumas pessoas numa cidade para a qual tinha acabado de mudar, Los Angeles (foi principalmente o Jimmy Marble que me pediu para criar cenários para os filmes dele). E também, depois de acabar o curso, arranjei, por acaso, um emprego em vitrinismo na Barneys and Anthropologie. Portanto estava basicamente a conceber cenários apenas localizados em montras de centros comerciais.
(...)

Publicado na ROOF 5

@Exclusivo Online


Fotografia: Sing-Sing Studio (Adi Goodrich + Sean Pecknold)
Cenografia: Adi Goodrich
Cliente: Sagmeister & Walsh for Aizone


@Exclusivo Online


@Exclusivo Online


Fotografia: Sing-Sing Studio (Adi Goodrich + Sean Pecknold) 
Cenografia: Adi Goodrich
Cliente: Headspace


@Exclusivo Online


Fotografia: JUCO
Cenografia: Adi Goodrich
Cliente: Schon Magazine

 

Texto: Cátia Fernandes
Fotos: Gentilmente cedidas por Adi Goodrich

Para ler o artigo completo assine a ROOF - An IN & OUT Magazine na versão em papel ou digital

Subscrever a Revista

Relacionados

Body Painting

Body Painting

Revista Arte + Cultura
Rui Paixão

Rui Paixão

Revista Arte + Cultura
The High Line

The High Line

Revista Arte + Cultura

#Siga-nos no Instagram @roofmagazine